Arquivo | setembro, 2015

Quarta lua de sangue. Asteroide em setembro?

30 set

Watch incredible moment giant sinkhole swallows tents, caravans and a car at beach campsite

30 set

Blood moon UFO Family watching lunar event stunned as strange shape darts across sky

30 set

09/27/2015 Supermoon Lunar Eclipse

28 set

SE VOCÊ QUER SERVIR ÀS PESSOAS DEFENDA O CAPITALISMO

23 set

Cuba0

HAVANA, Capital de Cuba

Capitalismo. Você provavelmente odeia esse negócio. Essa palavrinha carrega uns duzentos quilos de problema. É quase um palavrão. Quando a gente pensa nela, a primeira coisa que vem à cabeça é aquele sentimento de avareza, de homens engravatados correndo atrás de dinheiro. Muito dinheiro. O capitalismo precede um sintoma universal: nas salas de aula, nas redes sociais, nos debates políticos, nos discursos do Papa, ele é o grande vilão do negócio. E toda essa cara de malvado é justificada através de uma associação com uma outra palavrinha, quase sempre presente para condená-lo aos confins da imoralidade política: o egoísmo. Eis um sistema que condena impunemente a humanidade a conviver com o abismo do abandono. Mas e se as coisas não forem exatamente dessa forma? E se o capitalismo de livre mercado apresentar um resultado exatamente oposto a esse? A grande dificuldade das pessoas em aceitar a economia de mercado reside em não entender o paradoxo por trás dela – que, em parte, ajuda a explicar seu papel na evolução de como nos organizamos em sociedade. Por mais egoísta que seja as motivações dos homens em suas relações econômicas – e eu estou falando de você e de mim aqui – buscando lucro, almejando conquistas individuais, procurando alcançar satisfação pessoal e status, o capitalismo foi a maior invenção de todos os tempos como uma máquina de serventia das pessoas. E se você acha isso uma insanidade sem tamanho, faça um teste: busque por uma fotografia de sua cidade há 200 anos e coloque ela no mesmo lugar de hoje.Longe das proteções estatais que privilegiam grandes grupos econômicos, na economia de mercado os indivíduos enriquecem atendendo às demandas de quem está ao seu redor. Quanto mais o que você tem a oferecer é de interesse dos outros – seja aquele sanduba sempre à disposição na esquina para matar a fome das pessoas ou aquele computador que irá auxiliá-las a desempenhar melhor seus trabalhos – mais você ganhará dinheiro com isso. E isso acontece porque no capitalismo cada cédula de real funciona como um voto. Quando você compra algo, é como se dissesse para as demais pessoas que o cara do outro lado do balcão soube lhe servir. E é em busca de servir às pessoas que nós nos especializamos e criamos a divisão de trabalho. Nela, em conjunto, a soma de todos os nossos esforços é muito maior do que seria se cada um tivesse de fazer tudo sozinho. Foi isso que testou na prática o americano Andy George, há poucos dias. Responsável por um canal no Youtube chamado How to Make Everything, Andy nos mostra o quão condenados ao atraso estaríamos sem essa divisão de trabalho – e isso tudo, desenvolvendo um sanduíche de frango com queijo. Sim, um mero sanduíche – e se você acha que produzi-lo é uma tarefa fácil, pense novamente. Andy plantou e colheu seus próprios vegetais, ordenhou uma vaca (para a produção do queijo), evaporou a água do oceano (para o sal), preservou seu próprio picles, plantou e moeu seu próprio trigo, abateu, depenou e cozinhou um frango. Todo esse processo lhe tomou 6 meses de vida e um gasto de US$ 1.500. E tudo para fazer um mísero sanduíche, que você encontra em qualquer esquina, a qualquer momento e por um preço estupidamente barato. Como funciona a mágica aqui? A resposta está no tal paradoxo. Na economia capitalista, cada um dos envolvidos nas diferentes partes do processo da criação de um sanduíche escolhe seguir seu próprio caminho (algo impossível numa economia socialista), justificado por razões egoístas, motivadas – ao menos para a maior parte das pessoas – na busca pelo dinheiro. E essa escolha inevitavelmente levará cada um dos envolvidos a atender os interesses dos outros – num lugar onde a regra diz que o cliente tem sempre razão. Quanto maior a sua motivação econômica, maior o seu interesse em ser útil aos demais. O resultado final será previsível: uma otimização do modo como cada um de nós nos disponibilizamos a servir a humanidade.É exatamente isso que nos conta o economista americano Walter Williams – agora, a respeito de uma outra instituição muito cara à economia capitalista: a propriedade privada. “Às vezes, as pessoas ficam chocadas quando digo que não me importo com as futuras gerações. Então eu pergunto: o que as gerações futuras fizeram por mim? Quero dizer, uma criança que vai nascer em 2050, o que ela fez por mim? E se ela não fez nada para mim, como, então, eu sou obrigado a fazer algo por ela? Contudo, eu digo para as pessoas: bem, onde eu moro, eu tenho uma bela propriedade e, muitos anos atrás, eu comprei algumas mudas de pés de maçãs. Agora, quando aquelas árvores alcançarem a maturidade, eu estarei morto. Muitas crianças de 2050 estarão se balançando nas minhas árvores, comendo as minhas maçãs. A senhora Wings, falecida há 4 anos, construiu uma grande varanda – e essa varanda foi construída por ela com o meu dinheiro, a propósito. E essa varanda durará mais do que nós. Muitas crianças de 2050 estarão sujando a varanda com lama, a minha bela varanda. Bem, se você perguntar: por que eu faço o sacrifício no meu consumo presente para produzir algo que irá durar mais do que eu? Por que essas crianças de 2050 irão aproveitá-la? A resposta é muito simples: é que, quanto melhor é a minha casa, maior é o tempo que ela será útil como moradia, e maior será o preço que poderei cobrar quando for vendê-la. Isso significa que perseguindo meu interesse egoísta, maximizando, na linguagem dos adultos, o valor presente, eu não posso impedir que minha casa esteja disponível para gerações futuras, querendo ou não. Agora, eu pergunto: eu teria o mesmo conjunto de incentivos para cuidar da casa se o governo fosse o proprietário? Eu teria o mesmo conjunto de incentivos se existisse um imposto de transferência da ordem de 75% quando a vendesse? Não. Tudo que enfraquece meus direitos privados de propriedade sobre a casa, enfraquece meu incentivo a fazer a coisa socialmente responsável, que é conservar os recursos escassos da nossa sociedade.“ Esses incentivos, em parte, ajudam a explicar por que a capital cubana de Havana, diferente da Filadélfia de Williams, mais parece um cenário de um filme apocalíptico do que uma cidade do século 21. E não pense que essa lógica funciona em interesse dos ricos. O que hoje é produzido para servi-los, logo é massificado pela economia de mercado. Em meados do século XIX, por exemplo, era um luxo ter um banheiro dentro de casa mesmo em países desenvolvidos como a Inglaterra e a França. Ao longo da história, objetos como espelhos, copos, sapatos e talheres, eram considerados supérfluos, meras frivolidades burguesas. Mesmo há pouco tempo, coisas como aparelho de celular, computador, televisão, ar condicionado, eram tratados como requintes disponíveis apenas para o topo da pirâmide. É através desse paradoxo da busca egoísta em atender as demandas alheias que o sistema econômico de mercado massifica o bem estar. E isso é relativamente inédito em nossa história – antes disso tudo, o status social de um homem permanecia inalterado do princípio ao fim de sua vida. Se você nascesse pobre, seria pobre para sempre; se tivesse a sorte de nascer rico, não haveria falência que pudesse tirar seus títulos de nobreza pelo resto dos seus dias. Nesse tempo, que perdurou por uma força incontável dos anos, o acesso aos bens que apenas uma minoria rica poderia ostentar não passaria de um delírio distante para os mais pobres. E mesmo essa associação inconsciente do capitalismo com os mais ricos não se justifica. Parte da esquerda acredita que quando liberais defendem o livre mercado, defendem por tabela os interesses do empresariado, dos comerciantes, dos industriais e dos patrões. Por tabela, associam essa visão ao credo de que o liberalismo é hipócrita – a julgar que grandes empresários vivem mamando nas tetas do governo, não é mesmo? Não poderia ser mais equivocado. O mercado não é um lugar onde apenas empresários e patrões atuam – você, um estudante, um empregado de escritório, um consumidor de almanaque, também está inserido nele. Há definitivamente outras forças em jogo. E nele, os incentivos são claros: quanto maior a concorrência, melhor para os empregados, os consumidores e aos homens e mulheres dispostos a atender suas demandas; quanto maior o controle econômico, melhor para os grandes empresários, interessados em abocanhar o poder estatal para defender seus projetos mesquinhos. Embora essa não seja uma regra, grandes empresários, não por acaso, tendem a ser antiliberais. No capitalismo de livre mercado, os grandes capitalistas são quase sempre os maiores inimigos da livre concorrência capitalista. E é exatamente por isso que toda vez que alguém defende que o governo atue para controlar o poder dos grandes cronys – que só se tornaram grandes graças a privilégios estatais – os auxilia a propagar seus próprios interesses. Afinal, controlar Brasília é muito mais fácil do que tentar ditar os rumos de um mercado descentralizado.E não pense que o paradoxo reside apenas no próprio sistema. A ideia que se faz do interesse próprio é igualmente paradoxal. A grosso modo, todos nós condenamos o egoísmo e reconhecemos que doar-se para os outros de modo completamente desprendido é uma atitude admirável da natureza humana. Egoístas, avarentos, sovinas, gente gananciosa, normalmente é encarada com desprezo. Mas então, por que raios a maioria das pessoas não são altruístas? Pare um segundo e se questione: quantas pessoas você conhece que realmente pensem primeiro nos outros do que em si mesmas? Eu aposto que não chegará a preencher os dedos de uma única mão (e isso sendo ridiculamente otimista).Vamos imaginar um cenário hipotético em que você é pai ou mãe de um garoto adolescente guiado pelo altruísmo. Na escola, ele pouco se preocupa em desempenhar seu papel de aluno – sempre à disposição para fazer o trabalho dos outros. Durante o intervalo, seu lanche não é seu. Seus finais de semana são recheados de afazeres em instituições de caridade. Não importa o que aconteça, seu filho definitivamente jamais olha para o seu próprio umbigo. E então, qual a sua posição aqui? Se essa fosse uma exceção – e não a regra – você certamente teria um desses orgulhos corujas. Mas se a cena se repetisse dia após dia, ininterruptamente? Posso apostar que você colocaria ele num canto da sala para conversar e diria que chegou a hora dele pensar um pouco mais em si mesmo, de ter mais ambição na vida e de praticar a tal palavrinha maldita do egoísmo.Para o biólogo britânico Matt Ridley, apesar de elogiarmos de forma categórica o altruísmo, não esperamos que ele esteja à frente das nossas vidas – e nem das pessoas que estão muito próximas a nós. E isso tudo é racional. Quanto mais aquele seu conhecido contato, e com ele toda humanidade, são altruístas, melhor para você – em contrapartida, quanto mais você e seus contatos mais próximos praticam o egoísmo, melhor para vocês. É um dilema da nossa natureza – e nele, não importa o que aconteça, quanto mais você defende o altruísmo, mais você se dará bem no final.E é por isso que socialmente o capitalismo – que é individualista – é encarado com desdém. Mas aqui, não sem uma grande confusão de termos. E para descomplicá-los, irei apelar para o Nobel de Economia, o austríaco Friedrich Hayek:“Este é o fato fundamental em que se baseia toda a filosofia do individualismo. Ela não parte do pressuposto de que o homem seja egoísta ou deva sê-lo, como muitas vezes se afirma. Parte apenas do fato incontestável de que os limites dos nossos poderes de imaginação nos impedem de incluir em nossa escala de valores mais que uma parcela das necessidades da sociedade inteira; e como, em sentido estrito, tal escala só pode existir na mente de cada um, segue-se que só existem escalas parciais de valores, as quais são inevitavelmente distintas entre si e mesmo conflitantes. Daí concluem os individualistas que se deve permitir ao indivíduo, dentro de certos limites, seguir seus próprios valores e preferências em vez dos de outros; e que, nesse contexto, o sistema de objetivos do indivíduo deve ser soberano, não estando sujeito aos ditames alheios. É esse reconhecimento do indivíduo como juiz supremo dos próprios objetivos, é a convicção de que suas ideias deveriam governar-lhe tanto quanto possível a conduta, que constitui a essência da visão individualista.” Dessa maneira, numa economia capitalista, seja um altruísta ou um desses mãos de vaca que andam apressados pelas grandes cidades, você é livre para seguir a conduta que preferir e ser responsabilizado por ela. Mas uma dica: os incentivos econômicos lhe guiarão a procurar atender as demandas das pessoas. “E os governos?”, você deve estar se perguntando. Ora, seguem a lógica exatamente oposta. Neles, independentemente do partido ou da ideologia, não há motivação pelo egoísmo – políticos são eleitos para servir às pessoas. Mas, como nos explica a Teoria da Escolha Pública, eles não se transformam em máquinas de altruísmo no momento em que tomam posse. Muito pelo contrário: assim como todos nós, políticos também defendem seus próprios interesses. E esses interesses, na maior parte das vezes, são conflitantes com os nossos. Guiados por incentivos racionais, eles não pensarão duas vezes antes de olhar para os seus próprios umbigos – num cenário de soma zero em que construir algo para os outros é relativamente dispensável para obter um cargo em que o marketing e as promessas de esperança, a base da democracia em qualquer canto do mundo, dão conta do recado. Portanto aqui, se você realmente se preocupa em servir as pessoas, está na hora de olhar para os incentivos e as origens da virtude: elas o guiarão inevitavelmente a defender um controle maior sobre as ações do mundo político e uma maior liberdade para que as pessoas possam cuidar dos outros e de si mesmas através do mercado.

WARNING TO THE WEST

23 set

PARIS – Friday in Paris. A hidden camera shows streets blocked by huge crowds of Muslim worshippers and enforced by a private security force. This is all illegal in France: the public worship, the blocked streets, and the private security. But the police have been ordered not to intervene. It shows that even though some in the French government want to get tough with Muslims and ban the burqa, other parts of the French government continue to give Islam a privileged status. An ordinary French citizen who has been watching the Islamization of Paris decided that the world needed to see what was happening to his city. He used a hidden camera to start posting videos on YouTube. His life has been threatened and so he uses the alias of “Maxime Lepante. ” Lepante’s View – His camera shows that Muslims “are blocking the streets with barriers. They are praying on the ground. And the inhabitants of this district cannot leave their homes, nor go into their homes during those prayers.” “The Muslims taking over those streets do not have any authorization. They do not go to the police headquarters, so it’s completely illegal,” he says. The Muslims in the street have been granted unofficial rights that no Christian group is likely to get under France’s Laicite’, or secularism law. “It says people have the right to share any belief they want, any religion,” Lepante explained. “But they have to practice at home or in the mosque, synagogues, churches and so on.” Some say Muslims must pray in the street because they need a larger mosque. But Lepante has observed cars coming from other parts of Paris, and he believes it is a weekly display of growing Muslim power. “They are coming there to show that they can take over some French streets to show that they can conquer a part of the French territory,” he said.

France’s Islamic Future? If France faces an Islamic future, a Russian author has already written about it. The novel is called “The Mosque of Notre Dame, 2048,” a bestseller in Russia, not in France. French publisher Jean Robin said the French media ignored the book because it was politically incorrect. “Islam is seen as the religion of the poor people, so you can’t say to the poor people, ‘You’re wrong,’ otherwise, you’re a fascist,” Robin explained. The book lays out a dark future when France has become a Muslim nation, and the famous cathedral has been turned into a mosque. Whether that plot is farfetched depends on whom you ask. Muslims are said to be no more than 10 percent of the French population, although no one knows for sure because French law prohibits population counts by religion. But the Muslim birthrate is significantly higher than for the native French. Some Muslim men practice polygamy, with each extra wife having children and collecting a welfare check. “The problem of Islam is more than a problem of numbers,” said French philosopher Radu Stoenescu, an Islamic expert who debates Muslim leaders on French TV. “The problem is one of principles. It’s an open question. Is Islam an ideology or just a creed?” “It doesn’t matter how many there are,” he aded. “The problem is the people who follow Islam; they’re somehow in a political party, which has a political agenda, which means basically implementing Sharia and building an Islamic state.”

In Denial or Fed Up From the 1980s until recently, criticizing or opposing Islam was considered a social taboo, and so the government and media effectively helped Islam spread throughout France. “We were expecting Islam to adapt to France and it is France adapting to Islam,” Robin said. About the burqa controversy, one French Muslim man told a reporter that Europeans should respect Muslim dress. One Parisian woman wearing a headscarf said “the veil is in the Koran” and “we only submit to God and nobody else.” But even if many government elites are in France are in denial over Islam, the people in the streets increasingly are not. Some have become fed up with what they see as the growing Islamization of France. They’ve started staging pork and wine “aperitifs,” or cocktail parties in the street. They’re patriotic demonstrations meant to strike back against Islam.  

A Warning to the West The French parliament debated the burqa law in this year. Jean-Francois Cope, president of the Union for a Popular Movement political party, has a warning for the West and for America. “We cannot accept the development of such practice because it’s not compatible with the life in a modern society, you see,” he said. “And this question is not only a French question. You will all have to face this challenge. “

Bispo austríaco: Papa disse-me que a “ideologia de gênero é demoníaca”.

21 set

Por John-Henry Westen – Life Site News | Tradução: Fratres in Unum.com – O Papa Francisco condenou duramente a “ideologia de gênero” em uma conversa privada com o bispo austríaco Andreas Laun, no início deste ano, relatou o próprio bispo em um artigo. Ao fazê-lo, o Papa segue as pegadas de seu predecessor, o Papa Bento XVI. Ao fim de seu pontificado, o papa emérito falou duas vezes sobre a ideologia de gênero como “uma tendência negativa para a humanidade” e uma “profunda falsidade”, sobre “a qual é um dever dos pastores da Igreja” colocar os fiéis “em alerta”. Dom Laun, bispo auxiliar de Salzburg, escreveu sobre as palavras do Papa Francisco em março, em um artigo para o portal de notícias católica alemão Kath.net. Dom Laun declarou a LifeSiteNews que se encontrou com o Papa brevemente, em 30 de janeiro, como parte da visita ad limina dos bispos austríacos, um encontro que os bispos devem ter a cada cinco anos. Laun acrescentou que ele foi o último dos bispos a falar com o Santo Padre. “Ao responder minha pergunta, Papa Francisco disse, “a ideologia de gênero é demoníaca!”. Laun escreveu em seu artigo, acrescentando que o Papa não exagerava em seu comentário. “De fato, a ideologia de gênero é a destruição das pessoas, e é por isso que o Papa tinha razão em chamá-la de demoníaca”, disse. Escrevendo sobre a ideologia de gênero, Dom Laun explicou que a “tese central desse doentio raciocínio é o resultado final de um feminismo radical que o lobby homossexual fez seu”. “Ele sustenta que não há apenas homem e mulher, mas também outros ‘gêneros’. E mais: toda pessoa pode escolher o seu gênero”, acrescentou. “Hoje”, afirmou, “a ideologia de gênero é promovida por governos e pessoas importantes, e um montante substancial de dinheiro é lançado para difundi-la, mesmo em materiais de ensino de jardins de infância e escolas”. Para mais informações a respeito, Dom Laun indicou a leitura do último livro da famosa socióloga alemã Gabriele Kuby, Die globale sexuelle Revolution: Zerstörung der Freiheit im Namen der Freiheit (“A revolução sexual global: destruição da liberdade em nome da liberdade”, tradução livre). Kuby, uma conhecida de longa data do Papa Bento XVI, presenteou o agora Papa emérito com uma cópia do livro em novembro de 2012. “Graças a Deus que a senhora escreve e fala (sobre esses assuntos)”, disse o Papa Bento a ela. Para Kuby, não é chocante chamar a ideologia de gênero de demoníaca. “A ideologia de gênero é a mais profunda rebelião contra Deus possível”, declarou Kuby a LifeSiteNews. “A pessoa não aceita que é criada como homem ou mulher, não, e diz, ‘Eu decido! É minha liberdade!’ — contra a experiência, a natureza, a razão, a ciência!” “É a última das perversões do individualismo”, explicou. “Ela rouba o homem do último fragmento de sua identidade, isto é, o ser homem e mulher, depois de ter perdido a fé, a família e a nação”. “É realmente diabólico”, concluiu, “que uma ideologia, que toda pessoa pode discernir como uma mentira, possa capturar o senso comum das pessoas e se tornar uma ideologia dominante em nossos tempos”. Em seu discurso de 21 de dezembro de 2012 à Cúria Romana, o Papa Bento XVI lançou uma ampla advertência quanto ao uso do “termo ‘gênero’ como nova filosofia da sexualidade”. “De acordo com tal filosofia, o sexo já não é um dado originário da natureza que o homem deve aceitar e preencher pessoalmente de significado, mas uma função social que cada qual decide autonomamente, enquanto até agora era a sociedade quem a decidia”, afirmou. “Salta aos olhos a profunda falsidade desta teoria e da revolução antropológica que lhe está subjacente”. Continuava o Papa: O homem contesta o facto de possuir uma natureza pré-constituída pela sua corporeidade, que caracteriza o ser humano. Nega a sua própria natureza, decidindo que esta não lhe é dada como um facto pré-constituído, mas é ele próprio quem a cria. De acordo com a narração bíblica da criação, pertence à essência da criatura humana ter sido criada por Deus como homem ou como mulher. Esta dualidade é essencial para o ser humano, como Deus o fez. É precisamente esta dualidade como ponto de partida que é contestada. Deixou de ser válido aquilo que se lê na narração da criação: «Ele os criou homem e mulher» (Gn 1, 27). Isto deixou de ser válido, para valer que não foi Ele que os criou homem e mulher; mas teria sido a sociedade a determiná-lo até agora, ao passo que agora somos nós mesmos a decidir sobre isto. Homem e mulher como realidade da criação, como natureza da pessoa humana, já não existem. O homem contesta a sua própria natureza. Bento XVI notou o dano dessa filosofia à dignidade humana, à família e às crianças. “Onde a liberdade do fazer se torna liberdade de fazer-se por si mesmo, chega-se necessariamente a negar o próprio Criador; e, consequentemente, o próprio homem como criatura de Deus, como imagem de Deus, é degradado na essência do seu ser”. O Papa Bento abordou a ideologia de gênero novamente, um mês mais tarde, em 19 de janeiro de 2013. “Os Pastores da Igreja — a qual é «coluna e sustentáculo da verdade» (1Tm 3,15) — disse Bento — têm o dever de alertar contra estas derivas tanto os fiéis católicos como qualquer pessoa de boa vontade e de razão reta”. “Trata-se de uma deriva negativa para o homem, não obstante se disfarce de bons sentimentos, no sinal de um progresso hipotético, ou de supostos direitos ou ainda de um presumível humanismo”, afirmou. “Por isso, a Igreja reitera o seu grande sim à dignidade e à beleza do matrimônio, como expressão de aliança fiel e fecunda entre um homem e uma mulher, e o seu não a filosofias como aquela do gênero se motiva, pelo fato de que a reciprocidade entre masculino e feminino expressa a beleza da natureza desejada pelo Criador”.