Arquivo | abril, 2014

A VERDADEIRA IGREJA CRISTÃ

30 abr

Em seu livro Biblical Separation [Separação Bíblica], o Dr. Ernest Pickering faz a seguinte pergunta: “O que caracteriza uma igreja verdadeira?”.Proposição: uma igreja verdadeira é uma assembléia de pessoas que compartilham uma experiência comum de fé em Jesus Cristo.Quem é Jesus Cristo? Você se refere ao Jesus Cristo humano dos modernistas ou o Jesus Cristo, a teantrópica Segunda Pessoa da Trindade? Você se refere ao Jesus Cristo dos maometanos, dos gnósticos, dos aderentes da Nova Era, ou o neo-ortodoxo? Você se refere a este Cristo ou a algum outro Cristo? O que você quer dizer com compartilhar uma experiência? Essa experiência depende do recebimento de sacramentos, batismo, ou alguma outra ordenança religiosa? Depende da realização de um ato de caridade, filantropia, ou auto-anulação? Você professa ter a experiência de “nascer de novo”, mas o que quer dizer com “nascer de novo”?Até que ponto a sã doutrina é necessária para uma igreja ser verdadeira? Ao afastar-se da sã doutrina, em que ponto uma igreja cessa de ser uma igreja verdadeira? (1). A essência dessa linha de raciocínio baseia-se no fato que Lúcifer declarou uma guerra de enganação contra a igreja. Logo após a igreja primitiva ter sido formada, ela foi cruelmente atacada pela infusão cabalista, gnóstica e pagã. Os falsos mestres segmentaram e corromperam as doutrinas cruciais da igreja, o que levou às diversas filosofias heréticas adotadas até mesmo por muitos daqueles que eram contados entre os “Pais da Igreja”. Como resultado dessa conspiração satânica, as advertências contra os falsos mestres aparecem em todas as epístolas do Novo Testamento. Uma dessas advertências é sucintamente apresentada em 2 Pedro 2:1-2:

“E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade.”

A estratégia de Lúcifer desde os dias de Pedro não mudou. Os termos eram cristãos, mas as definições e práticas eram gnósticas ou pagãs. Esse sincretismo do puro cristianismo com as religiões ocultistas culminou com o advento de muitos grupos pseudocristãos e as seitas. O mais notável, é claro, foi evidenciado na ascensão da Igreja Católica Romana e do papado. Contrariamente à crença popular mal-orientada, os papas não são sucessores do apóstolo Pedro (não há uma evidência histórica verdadeira de que Pedro realmente esteve em Roma). Os papas são, entretanto, os sucessores do Imperador Romano Constantino. Foi Constantino quem legalizou o cristianismo com a esperança de unificar um Império fragmentado e decadente. Ele mudou a capital do império para Constantinopla em 330, deixando o bispo de Roma a cargo do Ocidente. (3) Ele próprio, entretanto, continuou adorando o deus-sol. Embora Constantino tenha permanecido pagão pelo resto de sua vida, manteve influência sobre os negócios do que tinha se transformado a igreja “estatal” no Império. (Essa influência foi evidenciada pelo fato de ter ele mesmo convocado o Concílio de Nicéia.) Posteriormente, Teodósio, o Grande, tornou o cristianismo a religião oficial do Império, e a participação na igreja tornou-se obrigatória por lei. (Podemos apenas imaginar o efeito que isso teve sobre o caráter espiritual da igreja.) (4) Neste ponto, os templos pagãos foram transformados em igrejas, as estátuas de Júpiter tornaram-se estátuas de Pedro, as imagens de Ísis e Vênus tornaram-se imagens da “virgem abençoada”, e a mistura do paganismo com o cristianismo resultou nas diversas doutrinas sem base bíblica e as tradições da Igreja de Roma. Justiniano I (527-565), o maior de todos os imperadores, regulamentava todas as questões teológicas definindo o Bispo de Roma como o “líder de todas as santas igrejas”, lançando assim a base legal para a supremacia papal. (5) O papado envolveu-se em intrigas políticas internacionais a partir de 678, com o assassínio do rei merovíngio Dagoberto II. A Igreja orquestrou o fim da Dinastia Merovíngia em uma tentativa fracassada de garantir o título de “Rei de Jerusalém” para o papa. (6) A autoridade papal foi então grandemente expandida em 750 com a assim chamada “descoberta” de um documento conhecido como a “Doação de Constantino” (em 1440, Lorenzo Valla provou que esse documento foi uma falsificação) (7) Esse suposto documento do ano 312 dava oficialmente ao bispo de Roma os símbolos e as vestes imperiais do Imperador, que tornaram-se propriedades da Igreja. Ele declarava que o bispo de Roma era o “Vigário de Cristo” e oferecia-lhe o status de Imperador. As vestes foram supostamente devolvidas a Constantino, que as vestia com permissão eclesiástica, mais ou menos como um empréstimo. (8) Com esse documento em mãos, a Igreja reivindicou o direito de coroar e depor os monarcas, e o papa tornou-se o supremo mediador entre Deus e os reis. (9). A influência dos imperadores nos assuntos da Igreja para suportar uma máquina imperial que estava entrando em colapso resultou em uma profunda e rápida apostasia. Em poucos séculos, “o cristianismo transformou-se em algo totalmente diferente de seu início, como Jesus Cristo e seus apóstolos ensinaram. Tornou-se uma filosofia pagã sofisticada influenciada pelos ensinos sobre um Deus transcendente e onipotente.” (10) Com essa infidelidade espiritual veio uma espiral decadente na moralidade da hierarquia da Igreja Católica Romana. O poder absoluto começou a corromper absolutamente, e aqueles que se opunham aos ensinos da Igreja logo tornaram-se alvo da sua ira. A perseguição aos dissidentes tornou-se a ordem do dia, e a Igreja começou a encarcerar os “heréticos”, e a confiscar suas propriedades. Em 1203, o papa Inocêncio III publicou um decreto da Inquisição para erradicar a heresia do sul da França e da Itália. (11) Inocêncio III, naquilo que chamou de “a realização que coroou seu papado”, ordenou o massacre de 60.000 albigenses em um único dia. (12) Outros eventos documentados incluem o “Massacre da Noite de São Bartolomeu”, em que 70.000 huguenotes (calvinistas franceses) foram assassinados em um único dia. (13) e o papa Martinho V (1417-31) ordenou que o rei da Polônia exterminasse os hussitas. (14) A Inquisição durou até 1870, englobando o papado de oitenta papas que nunca se arrependeram, nunca se retrataram, e nunca reconheceram qualquer erro por parte da Igreja em torturar e/ou assassinar milhões de vítimas inocentes.A Igreja de Roma tinha, na verdade, desde sua formação, cessado de ser uma igreja verdadeira. O Estado tornou-se a entidade controladora dessa organização, e a sã doutrina foi substituída por uma síntese de paganismo com crenças cristãs. O resultado foi uma entidade em que um filho de Deus verdadeiramente redimido não poderia participar. Na verdade, muitos cristãos e igrejas individuais recusaram-se a participar no sistema de igreja/estado. Esses foram aqueles que ficaram conhecidos como anabatistas (rebatizadores), que mantinham o ensino bíblico do batismo após a salvação, rejeitavam o batismo infantil, o casamento civil, o governo religioso centralizado, e qualquer hierarquia eclesiástica acima da igreja local. Aqueles que defenderam essa posição e morreram por manter as doutrinas fundamentais da Palavra de Deus eram os verdadeiros cristãos, e suas igrejas eram as verdadeiras igrejas. A Igreja de Roma é apenas um dos muitos exemplos de organizações que têm o nome de “igreja”, mas exibem pouca ou nenhuma semelhança com a definição bíblica do termo. Entretanto, é preciso compreender que qualquer organização religiosa que afirme ser igreja precisa atender a certos critérios:Uma igreja verdadeira tem somente Jesus Cristo como seu líder e legislador. Uma igreja verdadeira somente deve aceitar como membro aqueles que professam fé salvadora em Jesus Cristo. No momento em que uma organização recebe como membro um único indivíduo que nega a fé em Jesus Cristo, essa organização deixa de ser uma igreja. Uma igreja verdadeira, por meio da sua declaração de fé, precisa aderir às doutrinas fundamentais conforme ensinadas na Palavra de Deus. Essas doutrinas incluem a inerrância das Escrituras, a encarnação de Jesus Cristo, a divindade de Jesus Cristo, o sacrífico vicário de Jesus Cristo, a ressurreição física de Jesus Cristo, a justificação pela fé, e a promessa da vida eterna para aqueles que professam essa fé. (A Declaração de Fé de uma igreja verdadeira deve ser mais detalhada que essa relação, mas deve SEMPRE conter pelo menos esses princípios). Uma igreja verdadeira precisa ser governada pelos métodos delineados nas Escrituras, com líderes, oficiais e administração conforme especificado no Novo Testamento. Sim, uma igreja verdadeira é uma assembléia daqueles que compartilham uma experiência comum de fé em Jesus Cristo. Entretanto, é preciso elaborar um pouco mais que essa experiência é o resultado da operação da graça soberana de Deus exercida pelo arrependimento de um indivíduo por meio da fé no sangue derramado de Jesus Cristo para total perdão dos pecados. Além disso, uma observação particular precisa ser acrescentada que essa operação de Deus não é de forma alguma dependente de ser membro de uma igreja, participar em sacramentos religiosos, participar em atividades religiosas, contribuir com dinheiro para as causas religiosas, moralidade geral, ou outras boas obras do indivíduo. Esses indivíduos “nascidos de novo” são além disso ordenados pelas Escrituras a aderir aos ensinos doutrinários encontrados na Palavra de Deus (incluindo aqueles da pessoa de Jesus Cristo), e não aceitar ninguém na comunhão do corpo de crentes cuja profissão de fé omita esses ensinos doutrinários. Entretanto, Lúcifer é um enganador sutil, e os falsos mestres que enganosamente professam cristianismo genuíno infiltram-se e corrompem uma igreja verdadeira. Isso freqüentemente leva à apostasia final das igrejas locais e das organizações eclesiásticas. A palavra “apostasia” (um afastamento da verdade por parte daqueles que antes defendiam a verdade) encontra-se na Bíblia em 1 Timóteo 4:1:

“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios.”

Os cristãos certamente não podem dizer que não foram avisados. Entretanto, surge a seguinte questão: O que os cristãos devem fazer quando forem confrontados pela infiltração enganosa dos falsos mestres? Além disso, o que devem os cristãos fazer quando os falsos mestres tiverem desviado ou enganado seus líderes ou outros membros do corpo da igreja? O ataque de Lúcifer à igreja verdadeira desde o tempo da igreja primitiva tem sido enfrentado por duas estratégias distintas. A primeira é a idéia que aqueles que estão do lado da verdade devem permanecer no corpo eclesiástico e tentar reformá-lo, expondo o erro dentro da igreja. Isso é exatamente o que os líderes da Reforma Protestante tentaram fazer. O desejo deles era reformar a Igreja Católica; não desejavam se separar de Roma, mas a Igreja os excomungou. A segunda estratégia baseia-se na Doutrina Bíblica da Separação. Quando um corpo eclesiástico afasta-se do ensino bíblico, aqueles que estão do lado da verdade escolhem obedecer as Escrituras e separar-se do corpo, em vez de tentar reformar a organização. Esse padrão pode ser visto durante toda a história da igreja organizada. Houve aqueles que tentaram reformar e houve aqueles que se separaram. A Bíblia é bem clara que aqueles que erram na fé devem ser abordados e confrontados com relação ao erro, mas também é muito clara que chega um ponto em que aqueles que estão do lado da verdade precisam se separar:

“E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles.” [Romanos 16:17].

“Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, E eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, E vós sereis para mim filhos e filhas, Diz o Senhor Todo-Poderoso.” [2 Coríntios 6:14-18].

“Mandamo-vos, porém, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo o irmão que anda desordenadamente, e não segundo a tradição que de nós recebeu.” [2 Tessalonicenses 3:6].

Charles Spurgeon escreveu:

“A cumplicidade com o erro tirará dos melhores homens o poder de entrar em qualquer protesto bem sucedido contra o erro. É nossa convicção solene que não pode haver nenhuma comunhão espiritual real, nenhuma falsa associação. A associação com o erro vital e conhecido é participação no pecado. Assim que vi, ou pensei que vi, que o erro tinha se tornado firmemente estabelecido, não vacilei, mas deixei o corpo imediatamente. Desde então meu conselho é, “Saí do meio deles”. Acho que nenhum protesto poderia ser igual à separação distinta do mal conhecido. Para não tornar ridículo meu testemunho, afastei-me daqueles que se desviaram da fé, e até mesmo daqueles que se associam com eles. Custe o que custar, a separação daqueles que se separaram da verdade de Deus não é apenas nossa liberdade, mas nosso dever.” (15).
A luta para manter uma verdadeira igreja foi e continuará sendo uma questão crítica para todos os cristãos até o arrebatamento. Ao tratarmos do tema “Pragmatismo na Igreja — Uma Religião Orientada Para Resultados”, a doutrina bíblica da separação precisa ser enfatizada em toda a análise, pois uma vez que a apostasia da Religião Orientada Para Resultados seja reconhecida dentro do corpo eclesiástico, o único rumo de ação para aqueles que queiram permanecer fiéis à Palavra de Deus é a separação de tal corpo. Esse processo de separação pode ser mais difícil do que em muitas situações nos anos passados simplesmente porque muitas das igrejas envolvidas na Religião Orientada Para Resultados ainda pregam o evangelho, e ainda têm muitas boas qualidades baseadas na Bíblia. Entretanto, os cristãos modernos precisam adotar a mesma posição de Spurgeon, quando ele disse: “… afastei-me daqueles que se desviaram na fé, e até mesmo daqueles que se associam com eles.”.

Pragmatismo na Igreja: Uma Religião Orientada Para Resultados e Que Abre a Porta Para o Anticristo — Uma Apostasia com Propósitos

30 abr

Autor: Mac Dominick

Introdução e Índice

“Ora, irmãos, rogamo-vos, pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e pela nossa reunião com ele, que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto. Ninguém de maneira nenhuma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição. O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.” [2 Tessalonicenses 2:1-4]. “Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?” [Lucas 18:8b].

Um dos principais sinais que o fim dos tempos está se aproximando é quando a maioria das igrejas cristãs começa a se afastar dos fundamentos da fé. Quando um pastor deixa de ensinar “todos os desígnios de Deus” e começa a incorporar elementos humanos e extrabíblicos no ensino e no serviço, está literal e biblicamente abrindo a porta para o Anticristo. Quantos pastores bem-intencionados já pensaram nisso quando levaram suas igrejas para áreas que não são bíblicas? Para um pastor, esse afastamento dos fundamentos da fé pode ser simplesmente deixar de pregar sobre a pecaminosidade inerente do homem, transformando seus sermões em variações do tema “o amor de Deus” e a síndrome psicológica do “sinta-se bem consigo mesmo”. Ou então, esse afastamento pode ocorrer quando o pastor permite que ensinos extrabíblicos entrem na igreja porque estão na moda e ajudam a aumentar o número de pessoas que vêm à igreja. O que você deve fazer se vir alguns desses sinais na sua igreja? Essas questões, e outras, são discutidas nesta série “Pragmatismo na Igreja: Uma Religião Orientada Para Resultados e Que Abre a Porta Para o Anticristo”. Os riscos são grandes: você pode ser salvo, mas está participando de uma igreja que está se afastando dos fundamentos da fé cristã. Lembre-se que Jesus Cristo prometeu o arrebatamento somente para a igreja de Filadélfia, a única das sete igrejas do Apocalipse que permaneceu fiel às palavras do Salvador! Veja:

Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra.” [Apocalipse 3:10].

Quanto de sua palavra Jesus Cristo espera que sua verdadeira igreja guarde? Toda ela! “Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.” [Mateus 5:18].

Pastor liberal ou inclinado ao liberalismo — você está abrindo a porta para o Anticristo, e terá de encarar essa realidade quando comparecer diante do Tribunal de Cristo!

AS GRANDES MENTIRAS DO GOVERNO MUNDIAL – DIA 27 de abril – DIA INTERNACIONAL DA ANTA

30 abr

Em entrevista à AND, o Brigadeiro Ércio Braga nos fala sobre as grandes mentiras do governo Lula e as táticas e instrumentos usados pelo governo mundial em sua estratégia de dominação.

O que é um governo mundial? Governo mundial é uma reunião de pessoas que têm uma fortuna incalculável, donas dos maiores bancos do mundo. Eles comandam as finanças de todo o mundo e seus instrumentos para agir nos países são o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), FMI (Fundo Monetário Internacional) e o Banco Mundial. Isso é interferência na economia. Esse é um grupo pessoas agnóstico, amoral (nem moral, nem imoral), aético, e assassino, por que eles matam pessoas de forma muito simples. Para matar 1 milhão de pessoas provoca-se uma fome devastadora nos países, doença, peste — tudo isso são formas de assassinato. Para desmascarar esse governo mundial, faltam alguns dados que eu ainda não consigo completar — como, por exemplo, o quanto o Brasil exportou em minério de ferro nos últimos 20 anos. Nem o preço, nenhum dado é revelado, mas eu consegui descobrir o método que eles usam. O governo mundial está agindo e sua idéia é acabar com o Estado-nação. Essa história de globalização é um charme para dar entrevista — globalização, o homem, direitos do homem, essa bobagem toda. O importante é que nós temos que enfrentar esse governo mundial. O Brasil tem que enfrentar esse governo a tapa, não tem mais solução. Porque eles compraram o Legislativo, compraram o Judiciário, compraram o Executivo. Eles compraram tudo. Ser o governo mundial é isso aí. Veja o caso da Petrobrás, com licitações de áreas extremamente promissoras. Eles vão vender a preço de banana e os compradores vão ganhar com a prospecção feita. Eles tentam tomar conta de todos os poços de petróleo do mundo, por isso invadiram o Iraque. Esse governo do Brasil é mentiroso. É o governo campeão de mentiras do mundo atualmente. Ou Lula não sabe de nada, fala o que mandam falar e nem sabe que está sendo o maior mentiroso do mundo, ou é conivente. Ele assinou o Consenso de Washington, junto com Fernando Henrique, e o Consenso de Washington é a filiação e obediência a isso. O Consenso de Washington é o USA. O resto é resto.

  A MENTIRA DO MERCADO

O mercado é um engodo. Vou citar um exemplo do que eles fizeram no mundo inteiro: o Brasil tem uma reserva enorme de ferro. Então eles dizem para os brasileiros: “Vocês têm que aumentar a produtividade. Vocês têm muito ferro para exportar mais.” É a teoria da exportação. Preparados, o negócio é exportar. Só que a gente não comanda a exportação, muito menos o preço da nossa mercadoria que vai ser exportada. Então, o que acontece com o minério de ferro? Dizem: “Vocês têm que investir mais.” Muito bem. Para investir mais é preciso comprar máquinas e equipamentos grandes — que só eles têm. O peço é dado por eles. Como não temos dinheiro para pagar os equipamentos, temos que pedir um empréstimo — nos bancos deles e com os juros que eles estipulam. Pagamos os juros que eles querem e ficamos com uma dívida para pagar. Quando recebemos os equipamentos para aumentar a produção, podemos contratar pessoas para fazer o negocio funcionar. Grande exemplo é Carajás, um sistema modal perfeito, o mais eficaz do mundo. Fizemos tudo isso. Aí, quando começamos a produzir e aumentar a produção, estamos pagando os juros das dívidas que contraímos para construir o sistema. Mas, como agora a oferta está muito grande, o preço caiu. Em 65 o Brasil não tinha Carajás (que começou a ser construída em 70) e vendia a tonelada a US$ 8,08. Com o passar dos anos esse número foi aumentando, chegando em 1996 a quase US$ 17. Bom, deflacionando os valores, já que o dólar teve inflação, concluímos que o Brasil vende hoje o minério de ferro pelo equivalente a 2,3 vezes menos do que em 65. O Brasil trabalha mais, vende mais matéria prima, e recebe menos. Somados aos juros, paga para exportar. Ainda tem o caso da multinacional que explora e processa o alumínio. Tucuruvi vende o mega watt/hora para ela a dois vírgula qualquer coisa, mas o custo de Tucuruvi é sete vírgula qualquer coisa. Essa diferença paga o brasileiro e quem ganha são eles. Eles fizeram isso com o gás da Bolívia e com o cobre do Chile. A mesma técnica, tudo igualzinho a como fizeram em outros países. O Brasil é o maior produtor de quartzo de alta qualidade e vende a preço ridículo, irrisório, além do nióbio. Tudo nós vendemos abaixo do custo.

  O PAPEL PINTADO

O dólar é uma moeda emitida por 12 bancos privados no USA, os mesmos do governo mundial. E não tem mais lastro em ouro, não tem mais nada em riqueza que apóie o serviço do dólar. O dólar é falso, é papel pintado. Mas, como é que o dólar ainda tem valor? Primeiro, por causa desses governos que pegam dinheiro emprestado e pagam juros em dólar. Para pagar juros em dólar tem que vender matéria-prima para receber dólar. Nós já vendemos mal, recebemos em dólar e pagamos a dívida com ele. Nós valorizamos o dólar. O USA está dominando militarmente todos os poços de petróleo. Invadiu o Iraque para dominar as reservas de petróleo, que são grandes. Está fazendo uma confusão na Venezuela também por causa do petróleo. Já avisou que o próximo é o Irã, que tem grande reserva de petróleo. Entraram no Afeganistão e estão acabando com as reservas. A Europa tem que comprar petróleo da Arábia Saudita, do Kuwait, em dólar, e por isso valoriza o dólar. O Japão tem que comprar em dólar. O dólar é realmente papel pintado, mas está sendo mantido na base do poderio militar do USA, pelo controle que ele exerce sobre o petróleo, dívidas externas etc.

  A FARSA DA DEMOCRACIA

A “democracia” foi escolhida por eles como um sistema ideal porque é um sistema aberto e a influência do poder econômico numa democracia é demolidora, devastadora. Cada vez é necessário gastar-se mais para eleger um deputado ou um senador. Cada vez mais os deputados e senadores ficam na mão dos donos do dinheiro. Por exemplo, quem designa os membros do Superior Tribunal Federal? O Executivo. Quem aprova? O Legislativo. O Legislativo está na mão dos donos do dinheiro. Conclusão: só caem no STF as pessoas que eles querem, pessoas que são nomeadas, não juizes de carreira. Uma democracia é muito fraca se não tiver Executivo e Legislativo fortes e um Judiciário independente. O que é que eles fizeram para acabar de vez com o Judiciário? Isso eu afirmei em uma entrevista, muito antes deles aprovarem: o objetivo do governo mundial, quando fala de reforma do Judiciário, é um só: a súmula vinculante. Com a súmula vinculante uma decisão do STF em determinado processo não pode ser modificada em nenhum outro tribunal, em processos de mesma natureza — ou seja, pelos juízes de carreira. Então, com o STF dominado, acabou-se, já que os juízes do Superior Tribunal Eleitoral também são nomeados pelo Executivo. Imagine-se que o STF vai ser consultado sobre uma causa trabalhista entre um operário e uma multinacional. Qual será a sua decisão? A multinacional vai escolher o fórum onde vai ser discutido e resolvido o assunto. Ou seja, o seu país de origem. Isso vai ser uma catástrofe. Essa “democracia”, então, vai se eternizar no poder. Quais os recursos? Primeiro o poder econômico. O PT sabe bem o que é isso. Inventou ministérios e secretarias, criou milhares de cargos para que esse pessoal pague 20% ao PT, que compra os deputados — como comprou o do Prona por US$ 200 mil, mais US$ 5 mil por mês. Outro recurso é o voto eletrônico, inventado por eles para ninguém saber em quem votou e eles fazerem o que quiserem com o voto. O senador Requião deu uma solução para isso, quando sugeriu que o voto fosse impresso e depositado em uma urna lacrada. O resultado sairia rapidamente e depois os votos seriam conferidos. A reação não se fez esperar: “Mas não se pode desconfiar da urna eletrônica, são pessoas honestas…” Eu acredito que realmente o voto eletrônico democratizou a eleição, porque a urna faz o que quiser com o seu voto. Quanto a isso só tem uma solução, e eu vou para a rua, para o rádio, para a televisão falar: “Não compareçam à eleição!” Fui candidato a deputado. O meu dinheiro acabou cedinho, porcaria de R$ 20 mil, quase nada. Mas algumas pessoas votaram em mim pelo meu princípio. Sem que eu pedisse famílias me disseram: “Todos nós votamos no senhor. Tá aqui a urna, a sessão e o nome da pessoa.” Aí eu peguei essa relação e fui conferir. Dos dez nomes conhecidos, só quatro confirmados. Seis votos sumiram. E quem disse que quem vota em branco não vota nada? Quem anula o voto transforma em voto para alguém. Ou eles mudam essa porcaria toda ou eu vou puxar um trem de estudantes para invadir o TSE. Vamos invadir aquilo lá e ficaremos uma hora cantando o Hino Nacional. E se não mudar a regra para essa eleição, não votarei. Eu digo que a democracia é a sacerdotisa dos adoradores do bezerro de ouro no templo-mercado.

  O ESTADO MÍNIMO

Fernando Henrique começou com essa história com muita pompa, com muito charme, o intelectualóide-lerdóide, dizendo que o Estado tem que cuidar de segurança, saúde e educação. Só isso. O resto tem que ser separado do Estado. Resultado: a saúde está uma porcaria, a educação está uma porcaria, e as Forças Armadas, que tratam da segurança, estão desmanteladas. A teoria do Estado mínimo serviu para quê? No Estado mínimo você diminui as Forças Armadas. As Forças Armadas (em tese) garantem a integridade do território. Se elas forem fortes, um invasor vai ter problemas para entrar aqui. Para o Estado diminuir alguém teria que exercer as funções do Estado. Então, usaram a mesma técnica aplicada no USA (lá também o governo mundial está presente, não sei quando é que o povo vai perceber): um troço chamado agência. Agência é um órgão independente. Quando se fala que ele é um órgão independente, quer dizer independente do governo, mas dependente do governo mundial. Existem duas agências que todos conhecem: CIA (Central Intelligence Agency) e FED (algo como o banco central do USA, composto por um grupo de grandes bancos privados). O diretor da CIA é nomeado por alguém, que não é o presidente dos Estados Unidos, por que ele chega lá, Republicano ou Democrata, mas o cara da FED e da CIA é o mesmo. Quem nomeia os presidentes das agências? O governo mundial. Então, CIA e FED são instrumentos do governo mundial. No Brasil temos vários exemplos: a Agência Nacional do Petróleo (ANP) aumentou o combustível e o presidente da República não estava de acordo. Mas, pela lei, o presidente da agência podia aumentar. A quem ele ouviu? Por quem tomou a decisão? Com toda a banda do Lula a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aumentou as tarifas. Aí ele diplomaticamente foi lá e aumentou menos. Mas a decisão é da agência.  Outro exemplo é a Agência Nacional de Águas (ANA). Um absurdo total. É a privatização das reservas hidrominerais do país. Eles vão ser donos da água do país. Não podemos admitir que a água de Petrópolis seja de uma empresa francesa, a Perrier. Então, quem tiver um poço vai pagar para a Perrier? Toda a água do subsolo é deles. E a lei já saiu no governo Cardoso.

  AS ONGS E O ESTADO

Outra coisa que eles usaram para substituir as funções do Estado: as famigeradas Ongs. As Ongs recebem dinheiro do governo e não prestam conta. O relatório da CPI das Ongs que foi feito no Senado, é uma calamidade. Tem indivíduo que recebe R$ 7 milhões por ano da Funasa (Fundação Nacional de Saúde). Com esse dinheiro ninguém faz nada de saúde para os índios e gasta esse dinheiro como quer, pagando as pessoas que ele nomeia, viagens… Veja a bagunça que está lá na Amazônia. Os índios estão começando a se revoltar. E isso é ótimo. Os índios é que vão acabar matando todos esses caras das Ongs que só vão lá para embromar. Sociólogo, biólogo — os índios sabem que são sem-vergonhas, e que eles não esqueçam que o índio é invocado. O que eles não sabem: existem várias tribos na Amazônia. Um grupo foi paras cidades e aculturado. E esse número é grande, é muito grande. Se dependesse de mim tomar essa decisão, convocaria todos para o exército, depois mandaria que voltassem para suas tribos, mas à paisana, para acabarem com essa brincadeira. As Ongs atacam ainda na área industrial, acabando com indústrias de material bélico. Para motivar a população vem uma campanha de paz e desarmamento. Isso foi planejado. Primeiro passo: vocês têm que registrar suas armas. Segundo: a lei. Você não pode ter a arma. Você disse que tinha, mas vai ter que devolver. Por que? Para desarmar a população civil. Aí vêm com bandeiras, pombinhos, coisa bonita, a humanidade, desarmamento e paz. Qual é o contrário? Armamento e guerra. Armamento e guerra significam Forças Armadas. O objetivo dessa campanha é desmoralizar, desvalorizar, desacreditar as Forças Armadas de todos os países.

  O ESTADO MÁXIMO DA ONU

Enfraquecido o Estado mínimo, as fronteiras ficam abertas. Aí entra o Estado máximo, que é a ONU. A ONU é um instrumento do governo mundial em vários setores: na Organização Mundial de Comércio (OMC), nas Ongs, na demarcação de terras ambientais e de áreas indígenas etc. A ONU está por trás de tudo. E, ao mesmo tempo em que desmoraliza as forças internas de todos os países, começa a enaltecer a Força Internacional de Paz, que tem míssil, canhão, avião, e até bomba nuclear, se quiser. Para quê tanto armamento se é de paz? E começam a falar na inutilidade das Forças Armadas dos países, por que são eles que garantem as fronteiras. O Estado Máximo é a ONU. Uma farsa. A ONU bloqueou o Iraque, enfraqueceu o Iraque, sacrificou o povo iraquiano, depois o USA invadiu. Isso é um genocídio. A ONU, depois do que fez com o Iraque pode ser chamada de Organização de Nenhuma Utilidade. A Liga das Nações desabou por causa disso: inutilidade. A ONU se transformou num órgão inútil.

  CIÊNCIA, TECNOLOGIA E PESQUISA

Na área de ciência e tecnologia eles atuam muito bem, com frases, dogmas, mentiras. Sobre isso, é dito o seguinte: “Pesquisa é coisa muito cara. Como é muito cara só os paises ricos podem fazer pesquisa.” E a função dos paises pobres é fornecer cérebros. Hoje o Brasil é um grande exportador de cérebros. Outra coisa que eles fizeram: atuar nos governos. Tiraram o dinheiro da Embrapa, acabaram com a pesquisa da Petrobrás, nas Forças Armadas, nas universidades, exatamente cortando o dinheiro do orçamento e dizendo: “Não, nós não podemos dar dinheiro para ciência e tecnologia quando o povo está passando fome. Nós temos que comprar alimento para esse povo que passa fome.” O Centro Tecnológico da Aeronáutica (CTA) sofria o diabo para fazer o VLS (Veículo Lançador de Satélites) e por causa disso tinha muita pressão. O CTA fez um radar, o CTA fez avião. Criou a Embraer. Construiu sozinho, com tecnologia de brasileiros e brasileiras, o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA). O CLA está perfeito, e está operacional. É preciso construir uma nova torre, sim, mas é só ter dinheiro e tempo. O Brasil constrói outro VLS, tudo igual, e eles estão lá atrás (deve ser uma tecnologia danada: como é que eles mandaram uma corrente elétrica para explodir o terceiro VLS?). O que acontece? Vão excluir, bloquear a possibilidade de dar certo, e o VLS vai sumir. A Embrapa tem que ter verbas. A Embrapa coloca o Brasil em condições de competir com o USA. Se der dinheiro para a Embrapa, ela transfere tecnologia para ter o controle, e o Brasil, produtor mundial de grãos, abastece a Rússia e a China, o que não é nada interessante para o USA. A Califórnia era um deserto. Se alguém quiser ver o que era a Califórnia, vá a Las Vegas. Ande 1 km para ver o que era a Califórnia. Eles irrigaram a Califórnia, levaram adubo, levaram a terra e com isso ela se transformou no maior estado do USA. Seus produtores abastecem vários países do mundo, mas a Califórnia é o pior solo do USA, pior que o Nordeste nas zonas da seca. E o Nordeste é três vezes maior do que a Califórnia. Estes safados constroem represas de araque, e há séculos nós estamos nessa brincadeira. Para começar, deve-se fazer desvio de rios e irrigar o Nordeste. A grande característica é a seguinte: na irrigação, você abre e fecha a torneirinha na hora que quiser. A chuva você não controla, chove mais ou chove menos, mas se você abre a torneirinha todo dia, de manhã tanto, à tardinha tanto, o fruto se desenvolve que é uma barbaridade.

  AS CAUSAS DO NARCOTRÁFICO

Quando alguém quer resolver um problema tem que atacar e eliminar a causa. E qual é a causa do tráfico de drogas? Consumo. Se não houver consumo não há tráfico. O que é que você tem que atacar? O consumo. Se você atacar o consumo e ele diminuir, o que acontece? Quem lucra com a droga perde dinheiro. Quem consegue lavar US$ 400 bilhões por ano? Alguma empresa? Algum país? Banco pequeno? Banco médio? Só os grandes, os gigantescos bancos, que pertencem aos membros do governo mundial. Quem lava o dinheiro da droga do mundo inteiro é o governo mundial. Por isso o USA não pode diminuir o consumo, que está aumentando. Sem falar que o combate ao tráfico é um excelente negócio. Ou se vende arma para traficante ou para a polícia. Morre um traficante, é substituído na mesma hora. E quanto mais morre traficante e policial, menos eles chegam perto do cara que trabalha com o dinheiro da droga. Para eles é ótimo.

  PREVIDÊNCIA PRIVADA

Esses cachorros, não satisfeitos em ganhar dinheiro com os bancos, com juros da dívida, tráfico, nessas transnacionais, que são instrumentos deles, ainda sentam um testa-de-ferro lá para dizer que é quem manda. E criam outra mentira: a previdência privada. Você desconta x% do seu salário por mês para a previdência. Eles não dizem que é para fazer o seu patrimônio. Quem vai te pagar não é a previdência, é o rendimento do seu patrimônio. Uma sugestão seria que o trabalhador recebesse uma comunicação semestral sobre o valor do seu patrimônio, e qual é a aposentadoria a ser recebida em função desse patrimônio. Quando chegasse a 30 anos, você optaria por receber a aposentadoria ou o seu patrimônio. O trabalhador tem direito de controlar seu patrimônio. Eu acredito que muita gente ia preferir pegar o seu patrimônio. Porque com rendimento de 0,5% ao mês você pega esse patrimônio e converte num táxi, e tira mais de 1% ao mês. Se o sujeito é negociante, por exemplo, vai preferir o patrimônio e investir em seu comércio. Para fazer um caixa, que seria controlado pelo governo, o empregador contribuiria com 5,4%. Esse caixa seria para atendimento ao aposentado, saúde, casa própria etc., um dinheiro para apoio ao trabalhador. Nunca existiu rombo na previdência. Na realidade o que existe é roubo na Previdência. Nisso veio o Fernando Henrique com análise social, inteligentólogo, e aquela cara de sábio dizendo: “Precisamos escolher organizações que tenham patrimônio grande para poder arcar com esse recurso e não quebrar a previdência.” Ou seja: os grandes bancos. Quem são os grandes bancos? Os mesmos do governo mundial. Por isso o HSBC, Citybank, Santander e outros vieram comprar banquinhos pequenininhos no Brasil. A previdência privada é uma grande mentira. O meu filho ligou do Canadá dizendo: “Aqui está impossível, está um roubo na previdência (pública).” Aí eu disse: “Ah, já vi esse filme.” Meu filho já está contribuindo com a previdência privada. E qual o banco? “Ah, um banco grande.” Lá o processo já está adiantado. No Canadá a aposentadoria é com 70 anos. O cara praticamente vai contribuir 50 anos com patrimônio. A 1% ao mês, o valor é astronômico. E você receberia? É astronômica a evolução do dinheiro. É juro sobre juro. No fim dá uma coisa imensa. Milhões e milhões. Está explicado por que estes bancos estão aí.

  LIBERDADE DE IMPRENSA

A liberdade de imprensa não é para o jornalista, muito menos para o dono do jornal ou da televisão. A liberdade de imprensa é para o indivíduo, porque é ele que tem o direito de ser o único com opinião contrária à da imprensa e de que essa seja escrita na imprensa. Não é o para o jornalista falar o que quiser. Muito menos aquela piada do Chateaubriand: “Se você quer botar sua opinião, faça como eu. Compre um jornal.” Nesses últimos 60 anos a imprensa é formada por chantagistas, não jornalistas. Hoje há uma confusão entre publicidade e propaganda. Existem diferenças: com a publicidade você exalta as qualidades de um produto. Então você trabalha nisso: o produto é bom porque funciona mesmo, é mais barato, é mais bonito, a qualidade do produto. Na propaganda você atua no consciente e no subconsciente também. Propositalmente eles misturaram as duas coisas.

 

Vídeo

Todo brasileiro precisa ver este vídeo

29 abr

Vídeo

Lula and Dilma:Brazil’s Destruction Manual (lecture Rodrigo Constantino)

29 abr

Vídeo

PETISMO e NAZISMO. A NEFASTA SEMELHANÇA

29 abr

Vídeo

Médicos Cubanos no Brasil e a canalhice do PT

29 abr